16 setembro 2013

All my dreaming torn in kisses.

hoje sonhei abusadamente contigo. e, meses após a última vez, falaste remotamente para mim.

preciso de uma nova palavra, porque dizem que as coincidências não existem.

preciso fechar os olhos e sonhar com outra coisa qualquer.

24 junho 2013

i'm waiting for you, for i'm broken down.

«Tens um brilho no olhar sempre que olhas para a rapariga, e a tua aura muda completamente. Apesar das merdas, parecias feliz, como há muito não te via... Portanto, luta por isso.»

quem me dera ter armas para isso...

19 junho 2013

unfortunate(a)ly.

just to write somewhere that i miss you. that i really do.

16 maio 2013

o vazio a esvaziar.

Custa tanto não falar contigo. Mas também me aflige, muita vez, quando falamos.

É como ir percorrendo uma estrada sem volante, sujeitando à irregularidade do traçado. Sem poder mudar  ou evitar uma curva.

Sinto que perdemos aquela embalagem que tínhamos há umas semanas. Provavelmente, não nos levaria a lado nenhum. Mas custa sentir que até esse pequenino elo se esvai.

Tenho saudades do teu bom dia.

14 maio 2013

kamikaze.

Nós não deviamos ser tão cool quando estamos juntos. Deviamos ser aborrecidos e todas as outras coisas ruins. Torna tudo mais difícil. Para mim, claro.

Sabes o que mais me custa? É saber que eu tento mesmo imenso. Não que isso me dê trabalho. As coisas saem-me naturalmente, não é esforço nenhum tentá-lo contigo. Mas vai cansando. Perde-se a perspicácia, o bom senso a pouco e pouco. E a inutilidade vai-me entupindo as veias. E a frustração instala-se.

Desta vez, eu sabia que iria chegar a este ponto. Mas tinha decidido voltar a tentar. Porque quando tu apareces, o resto da paisagem desaparece. Perde o interesse. E foi por isso que decidi fazer mais um cameo como kamikaze.

Sinto-me perdido quando desapareces. Mas também me sinto desorientado quando estás presente.

10 maio 2013

try, try, try.

i miss you so much when you're silent.

30 abril 2013

day 2.

i wish you would think of me, even if only for a second, while you're away.

29 abril 2013

1 mês e 27 dias.

e hoje não houve bom dia. nem haverá proximamente.
algum dia teria que acontecer. a altura até nem é má. mas dói na mesma, por vários motivos. dói pela imagem, dói pela ausência. 
para o bem e para o mal, não há nada a fazer do meu lado. talvez cerrar os dentes e morder o dedo de vez em quando.

entretanto, vou ter saudades tuas, piruça. e foste a primeira pessoa a quem o disse.

19 abril 2013

speaking zerish.

acordar e saber que não tenho valor. acordar na insignificância. sim, porque aqui não há meio termo. ou somos aquilo que desejamos; ou o muito que até possamos valer, vale zero, porque não é isso que queremos ser.

deleito-me ouvindo as histórias felizes dos outros, invejando saudavelmente os seus sorrisos genuínos. e, no segundo seguinte, uma faca amarga parece atravessar-me o corpo. como um arrepio azedo que me retira brevemente a respiração.

e caminho sozinho, com estas ideias na cabeça. tentando perceber quando chegará a minha hora, se é que algum dia chegará. talvez seja por isso que deixei de usar relógio.

15 abril 2013

about yesterday.

"Se eu soubesse desenhar, hoje explicava-te com é tão fixe ver-te. Nem que seja só mesmo isso."

09 abril 2013

bater na barra.

aquele momento em que os elogios, apesar de óptimos, não chegam.

02 abril 2013

mês.

tem sido bom. mais do que tudo, tem sido surpreendente. isto parecia inalcançável há umas semanas atrás.e é assim que talvez tenha que pensar, principalmente quando a ansiedade me encosta à parede.

mas o ser humano tende a ser assim. subimos um degrau já desejosos de escalar o outro que se segue. gostava que acusasses a minha falta, quando eu me tenho que ausentar. sinto falta de ser importante para alguém a esse grau. sinto falta de abraços improvisados, que são dados só porque sim.

se irão chegar, ou não, sou incapaz de dizer. às vezes, acredito muito; noutras, não acredito nada. 

21 março 2013

stay calm.

há manhãs em que acordo assim. desmotivado, sem esperança. independentemente do que tenhamos conversado ou feito há escassas horas atrás.
não sei propriamente explicar donde brotam estes sentimentos. mas sei que os sinto.

já percebi plenamente que dás valor à minha presença e que, até certo ponto, até temes que eu desapareça. mas sinto que nunca iremos passar desse nível. muita vez, penso que atingimos o topo daquilo que me podes dar.

não chega, claramente. mas, ainda assim, os dias são bem melhores contigo aí.

e a mim, resta-me manter a calma.

18 março 2013

road to nowhere.

acordei tristonho. com saudades de ti. mais que provavelmente, acusando a distância e a mediocridade de contacto no fim-de-semana que terminou.
não consigo decifrar porque foste naquela noite. porque se a tua ida foi algo de surreal para mim, não foi nada de especial o contacto posterior. mas é apenas mais um nó cego para este cérebro revirado.

não sei até quando vai durar esta fase. por mais coisas boas que tenha, nada avança palpavelmente. e muita vez, sinto o coração cansado. mas sei, melhor que ninguém, que nunca consigo fugir ou sequer proteger-me de ti.

isto é quase como perguntar: a que horas será a minha implosão? a minha nova e ultimada implosão. a minha desesperada e asfixiante implosão. a minha solitária implosão. que sempre obriga a ter que limpar os meus próprios cacos.

e eu gostava tanto que isto terminasse bem.
"Tens o olhar vazio." — alguém me disse há minutos.

Devem ser os meus olhos a tentarem vê-la no horizonte, e a não encontrarem nada que reflicta de volta.